Vivências de Cura


Os festivais são excelentes oportunidades para se focar exercícios e vivências de cura.

Considerando a parcela (pequena) que representa dentro da sociedade como um todo, um dos públicos mais percentualmente expressivos dentro dos festivais é o de terapeutas e curadores, das mais diversas linhas e abordagens.

Muitas pessoas também estão tendo seus curadores internos despertados dentro dos festivais, não apenas pessoas que estão incorporando em suas vidas práticas para curar a si mesmas, mas mais ainda: estão começando a desenvolver e aplicar suas potencialidades de servir como canais de cura a seus próximos, tanto pelo exemplo vivo do que estão se tornando e de como estão reagindo ao meio e às pessoas, mas também levando a elas conhecimentos em práticas como a cozinha natural, a imposição de mãos, as massagens terapêuticas, a meditação, os métodos catárticos de liberação emocional, a naturopatia, dentre outras tantas vivenciadas e aprendidas através do canal dos festivais.

A médio prazo, os tranceiros têm passado por transformações em suas formas de vida (questões como trabalho, relacionamentos etc) e manifestado-se como pessoas mais saudáveis, bonitas e satisfeitas.


Relação do festival trance com a Dissolução das 5 Estruturas Defesas de Personalidade

A dissolução das estruturas de defesas de personalidade (desconectada, carente, controladora, invadida e rígida) é um acontecimento que redunda diretamente em obtenção de cura e resgate do eu profundo do que cada ser humano é dentro de sua essência mais íntima e profunda.

O prazer como orientação primária e a realidade como orientação secundária

As pessoas que insistem em manter e alimentar as suas ilusões tendem a não se atrair pelos festivais, pois esses vêm se consolidando como centros de emissão e recepção de sinceridade. A vivência no trance torna as pessoas, dentro das possibilidades, ritmo e limitações de cada um, progressivamente cada vez mais transparentes e também detentoras de uma percepção clara lúcida, conseguindo avaliar e sentir as situações e pessoas com muita clareza e acerto, repelindo más e segundas intenções.

O festival trance apresenta um contexto totalmente favorável para a dissolução dessas estruturas de defesas. A seguir, segue o relacionamento existente entre as possibilidades oferecidas dentro de um festival trance e a dissolução de cada uma dessas defesas.

  • na pista de dança, tudo é público, especialmente durante o dia;
  • de dia, há um cenário propício e acolhedor para a dissolução das máscaras e das estruturas de defesa de personalidade.

Segue um descritivo de como os Festivais Trance atuam na dissolução de cada uma dessas cinco estruturas de defesa de personalidade:

DESCONECTADA

Características destacadas: Experiência básica: Rejeição; principal problema: terror existencial; não deseja contato com outros seres humanos.

A aceitação (antídoto natural para a experiência de rejeição) é uma das características mais marcantes dos Festivais. Dentro deles não há qualquer tipo de discriminação em relação ao que cada um é ou representa. Sob esta ótica, o Festival atua como um coração de mãe. Todas as tribos estão presentes, que são, na realidade uma mostra do que é a atual tribo humana sobre o Planeta Terra.

Para a dissolução do terror existencial, os festivais trazem a possibilidade de vivência segura de experiências de surtos positivos (veja texto específico) e testes de limites pessoais, dissolvendo assim a tendência a polarização a que é dado quem apresenta esse tipo de defesa.

Uma questão muito interessante e específica a se notar sobre os desconectados dentro dos festivais é manifestação dos surtos de polarização da energia e da necessidade de atenção. Uma característica muito marcante dos desconectados é a necessidade de chamar a atenção do meio (em decorrência do medo em que têm de se sentirem isolados em seus mundos psíquicos internos inseguros). É comum ver as pessoas se valerem dos mais variados artifícios para chamarem a atenção dentro das festas.

A utilização correta dos malabares e/ou quaisquer outros aparatos com alto grau potencial de polarização da atenção ou de domínio do espaço são um exemplo claro disso: como várias coisas na vida, não há uma regra específica para ditar o que é certo ou errado no comportamento humano. Só estando presente e avaliando como determinada coisa encontra-se ou não desarmônica com seu meio é que poderemos emitir um juízo a esse respeito.

Rodar malabares em meio à multidão, por exemplo, pode ser harmônico ou não, dependendo da intenção e habilidade de quem o faz. É perceptível quando alguém com habilidade (ou até mesmo sem…) lança mão desse artifício apenas para polarizar para si a necessidade de atenção. Algumas pessoas apresentam uma carência tão grande que vão exatamente para o miolo da pista rodar seus malabares justamente na hora em que a pista mais está bombando, sem perceberem o quanto estão sendo inconvenientes para a harmonia do espaço ao seu redor.

A cura em relação a isso está na possibilidade que essas pessoas têm de viver esse surto de atenção, podendo acordar posteriormente para eles. Apenas uns casos raros de desconectados continuam a agir dentro das festas tentando vampirizar a energia alheia a médio e longo prazo. A maioria de nós, inclusive pelo resultado da indução harmônica daqueles que já passaram por esse tipo de experiência e agora encontram-se despertos, tendem a largar de lado os surtos de polarização de quaisquer tipo de energias e manifestações, especialmente aquelas de chamar a atenção.

As pessoas saudáveis são aquelas que têm uma rotina gratificante nas cidades, no dia-a-dia e se sentem bem tanto no cotidiano quanto nas imersões dos festivais. Aqueles que não têm uma rotina produtiva e gratificante e tão pouco relacionamentos com laços firmes e fraternos podem vir a se sentir muito bem nos festivais, porém ao término desses, se vêem numa depressão profunda, pois polarizam uma percepção de uma realidade fantástica durante a festa e após esta não encontram um fluxo de vida adequado e gratificante para poderem estar. Sob esta ótica, a médio prazo, os Festivais servem para despertar aqueles que estão inconscientes para sua realidade desconectada e de sonhos de que é necessário acordar para a realidade e necessidade de se ter uma vida produtiva e gratificante.

O contato com a terra é muito, mas muito intenso mesmo durante todo o evento, fator base para o grouding (aterramento) tão necessário para os desconectados. Possibilidade de andar de pés descalços em contato direto com a terra durante vários dias seguidos é apenas uma das manifestações dessa possibilidade…

Dissolvendo a ilusão da sociedade alternativa

Um surto coletivo muito comum dentro da população humana como um todo é o do conceito de sociedade alternativa, que trata-se de um desvio energético fadado ao fracasso.

A alternativa já é a sociedade humana. Dentre todas as infindas possibilidades do universo, o ser já escolheu a Terra como alternativa para nascer. O caminho é promover o equilíbrio dinâmico dentro do quadro que temos. Partir para uma sociedade alternativa é como a pessoa que se isola achando que irá resolver seus problemas. Não resolvendo as questões internamente, elas voltarão a ocorrer, sempre, dentro de novos cenários e contextos, mas a essência dos problemas será a mesma.

O Festival Trance traz em seu seio todas as sementes necessárias para as pessoas terem a vivência adequada para dissolução da ilusão da sociedade alternativa, percebendo que apenas nos integrando e harmonizado uns aos outros e respeitando intervalos adequados de encontro (união) e de separação é que nos tornamos livres e completos.


CARENTE

Experiência básica: carência afetiva; principal problema: nutrição (a recusam e não a conhecem realmente); não tiveram a experiência de ficarem completamente satisfeitos. Ação defensiva: sugar energia dos outros.

Trance é abundância. Possibilidade de abundância sobre todos os aspectos.

Abundância, contemplando inclusive profundidade e qualidade de convivência e contato humano, estão na base na dissolução da defesa carente.

CONTROLADORA

Principal problema: traição; essência da atitude: negação do sentimento, implicando em negação de experiências. A negação dos sentimentos é basicamente uma negação das necessidades; Não confia em ninguém.

Trance é paz. Paz universal. A vivência dentro dessa paz universal é forte fator de dissolução do guerreiro tão comumente arraigado dentro de tantos e tantos seres humanos.

Trance é não competitividade. É confiança mútua. É segurança (individual e coletiva). É presente. É reconhecimento do caráter divino que existe dentro do outro. Todos esses, remédios de dissolução para a defesa controladora.

INVADIDA

Principal Problema: perder a privacidade, ser controlado.; ressente-se por não ter liberdade; os pais usaram os cordões entre os terceiros chakras para controlar os filhos, ao mesmo tempo que criaram sinceros e amorosos cordões nos quartos chakras. Havia controle de pensamentos, idéias e criações; Ação defensiva: não bota para fora aquilo que está dentro dele(a).

Trance e liberdade e privacidade, mesmo em meio à multidão.

A vivência de liberdade é tão intensa dentro dos Festivais que muitas pessoas se quer (inconscientemente) suportam tanta liberdade. Esse estado gera um psicológico interno tão profundo que chega a estar associado como um dos principais motivos de tão grande incidência de episódios de diarréias em tranceiros estreantes, pois há um quadro emocional interno de “estar solto demais”, sem ninguém a quem dar satisfação, receber ordens ou prestar contas.

RÍGIDA

Principal problema: autenticidade; conflito básico da personalidade: ceder ao prazer; separado da sua essência do âmago (sequer tem idéia de que existe uma essência do âmago…); esforço em manter perfeito o mundo das aparências; processo de crescimento com negação do mundo pessoal interior.

O cenário dos Festivais Trance é antídoto diretor para todos os itens citados acima. Soma-se ainda outros fatores dissolutivos para essa defesa:

  • o estabelecimento a longo prazo de relacionamentos com vínculos fortes e sinceros;
  • a atuação do caráter caótico de toda a composição dos mantras trances que trabalham os chacras superiores, por períodos longos e ininterruptos, quebrando qualquer possibilidade de rigidez e abrindo espaço para a manifestação do inconsciente e descarga de todo o manancial de prazer e manifestação interior divina de cada um de nós.
<Anterior Próximo>

Envie um Comentário     |     Referências