Você está em A Mente que Cura – Programação Mental

Pensamentos Harmônicos Prevalecem Sempre


Não há pensamento ruim para o qual não exista uma resposta divina coerente, gratificante e confortadora.
Para qualquer mazela, existe uma manifestação extasiática e divina capaz de envolvê-la.

Por que sofremos? Talvez essa seja a pergunta mais evidente e forte para a qual, quando não achamos respostas que nos satisfaçam beneficamente, os portais para o desânimo, a descrença, a depressão e toda sorte de desgraças e desatinos possam manifestar-se a partir e também em nossa direção.

Há respostas satisfatórias para quaisquer perguntas. Muitas vezes ocorre de o ouvinte não estar ainda apto ou disposto a ouvir a verdade, mas apenas o que ele próprio continua optando por ouvir. Palavras são limitadas. Raciocínios apresentados através de códigos linguísticos são limitados. A mente cria e aceita todo o tipo de explicações e estruturas lógicas que satisfaçam os anseios do que o ego (a percepção de individualidade) está querendo para si próprio.

Existem justificativas boas e coerentes (dentro de suas próprias lógicas) para todos os tipos de coisas opostas: comer ou não comer carne; ser ou não ser homossexual; fazer o tantra, fazer abstinência ou desregração sexual; ter ou não ter filhos; comprar ou não comprar bens supérfluos; ser bom ou ser mau… A lista é infinda. Tanto faz qual seja a questão: a mente irá acessar e encontrar as justificativas para preencherem as necessidades do ego e da alma de passarem por determinadas experiências e condições.

Se há justificativa para qualquer tipo de coisa, bons raciocínios para qualquer tipo de coisa, esteja certo(a) de que para todo pensamento ruim, para toda mazela, existe uma bênção capaz de envolvê-la, mesmo que você ainda não a esteja frequenciando. Aguarde e, cedo ou tarde, receberá uma explicação que lhe trará conforto e alívio para qualquer mazela.

Como já vimos, caso o eu opte por achar algo bom ou válido, a mente irá trazer uma construção racional para embasar ou justificar aquilo. Caso a pessoa aceite, pode-se dizer, por exemplo, que o sofrimento é um mecanismo do universo dentro da nossa realidade da separatividade para garantir a existência da evolução, o que é uma grande bênção. Sem o sofrimento nessa realidade da separatividade, poderíamos continuar infindamente incorrendo nos mesmos erros e desvios sem perceber o que estaria estagnado ou regredindo em nosso estado de ser e também em tudo ao nosso redor. O Anjo da Dor é o único que jamais se cansa de nós. Ele é capaz de se manter ao nosso lado infindamente até podermos acordar de nossas ilusões mais profundas.

Por que, então, existir as ilusões e os erros, por que eles simplesmente não deixam de existir e passamos a fazer tudo “certo”? Porque somente havendo essa possibilidade, podemos ter a bênção do livre-arbítrio, possibilitando a manifestação da individualidade separada e a percepção do êxtase em existir e permitir a existência também do outro, de contemplar a maravilha da criação ao mesmo tempo em que dela se faz parte. O sofrimento, nesta ótica, não é um mau, mas sim uma garantia para podermos, a partir de nosso próprio mérito, conhecer e desfrutar da ressonância infinita e abençoada da criação contínua de todas as coisas.

E ainda tem mais: justamente a existência do sofrimento, neste momento atual da transição planetária, disparou o chamado para deixarmos de lado a experiência da separatividade, ele funcionou como uma garantia de que poderíamos ter um mecanismo de retorno caso a experiência viesse pela possibilidade que acabou prevalecendo. Sem o sofrimento, poderíamos nos perder indefinidamente dentro da separatividade, algo em desacordo com a benevolência infinita da criação. Foi um remédio amargo, mas necessário.

Há boas justificativas para a existência do sofrimento, mas também há algo muito melhor: escolher parar de sofrer leva à evolução.

O estado no qual os pensamentos harmônicos não prevalecem sempre é transitório, por mais longo que possa parecer, e pode ser uma das definições para o termo “depressão”.


Escolher parar de sofrer leva à evolução

[Item disponível em sua íntegra apenas na VERSÃO COMPLETA]

O sofrimento é um mecanismo de evolução estabelecido juntamente com o carma e o esquecimento dentro da realidade da separatividade. Sem o sofrimento, não haveria um outro tipo de ferramenta tão eficiente capaz de garantir a evolução. A estagnação ou até mesmo a involução poderiam instalar-se no seio universal.

O anjo da dor é o único que jamais se cansa de qualquer um de nós, ele pode nos acompanhar infindamente enquanto isso for necessário. A dor e o sofrimento são mecanismos de sinalização e ancoragem para revermos o que pode ser melhorado, onde há falhas e são os mestres mais honestos que existem, não hesitam em nos mostrar a verdade.

[Trecho disponível apenas na Versão Completa]

Viva a vida. Cura tudo!

<Anterior Próximo>

Deixe Seu Comentário

Comentário(s) para A Mente que Cura
Se seu post não aparecer imediatamente, atualize a página pois ele já deve estar ativo.