Inteligência Multifocal



O texto a seguir é uma referência complementar do conteúdo “A Mente que Cura”. Constitui-se da indicação de leitura do livro “Inteligência Multifocal – análise da construção dos pensamentos e da formação de pensadores”, do Dr. Augusto Jorge Cury.

Está formado basicamente pelo Glossário da parte do final do livro acrescido de alguns poucos comentários das definições dadas sob a ótica dos demais conceitos veiculados na página da Vivência em Cura.

Esses comentários de forma alguma desabonam ou tentam se chocar com o maravilhoso e gigantesco trabalho realizado pelo Dr. Cury, mas objetivam tão somente acrescentar a essa já complexa visão uma possibilidade de conjunção com uma visão menos ortodoxa do que a baseada na ciência humana terrestre, a partir, especialmente, do fato de ser possível sim um ir além dos pensamentos e da mente, uma conjunção maior com a essência de todas as coisas que a própria mente e nossas limitadas palavras não conseguem se quer descrever.

Faz-se ainda um comentário extra: a consolidação de “Inteligência Multifocal” demandou um trabalho fascinante de 17 anos de investigações, estudos e copilações sobre temas absolutamente complexos: o funcionamento da mente humana, a construção dos pensamentos e os bastidores do mundo intrapsíquico, a partir de uma concepção inovadora e absolutamente inédita, sem alicerces em outras teorias ou pensadores. Como não poderia deixar de ser, prepare-se para muitos neologismos à primeira vista complexos, mas que falam por si só devido a sua clareza e precisão. Leia todas as definições sem se preocupar muito se está muito difícil o entendimento direto dos conceitos e idéias. Só de tomar contato com todos os termos vai se estruturando uma percepção do que se trata, de como pode haver proveito a partir desse conhecimento…

Como dito, é uma indicação de leitura, despertando-se pelos temas e definições apresentados, aventure-se em investir na leitura integral do livro, nele, os termos estão contextualizados dentro de cenários mais estruturados para serem compreendidos e também aplicados em desafios do dia-a-dia, especialmente em questões como fobias, depressão, ansiedade, idéias fixas, insegurança, dentre outras…


Glossário

Âncora de Memória: Fenômeno intrapsíquico inconsciente que modifica o território de leitura da memória. A âncora da memória é usada e deslocada pelo fenômeno da autochecagem da memória, do fenômeno do autofluxo e do eu.

Bastidores da Mente (inconsciente): Campo de energia psíquica inconsciente, onde atua um grupo de fenômenos e variáveis que geram os quatro grandes processos de construção da inteligência: os processos de construção dos pensamentos, da consciência existencial, da história intrapsíquica e da transformação da energia emocional.

Cidadania: Termo que, neste livro [Inteligência Multifocal], se refere a muito mais do que o gozo dos direitos e deveres civis e políticos de um cidadão em uma sociedade, mas também a um compromisso biopsicossocial e a um engajamento em projetos de preservação e expansão da qualidade de vida do “outro”, das sociedades, da espécie humana como um todo e do ambiente ecossocial.

Fenômeno do autofluxo: Fenômeno intrapsíquico multifocal e inconsciente que financia psicodinamicamente o autofluxo de transformações da energia psíquica, através da leitura da memória, das construções contínuas e inevitáveis das cadeias de pensamentos e das transformações da energia emocional e motivacional.

[comentário Vivência em Cura: embora a normalidade humana atual na Terra seja a de que essas construções das cadeias de pensamentos sejam contínuas, o depoimento de muitos mestres espirituais e a experiência, embora pequena e apenas de “amostra”, de milhares de iniciados no caminho do encontro pessoal apontam para que é possível a parada real desse fluxo em momentos de, na falta de uma expressão melhor, estado de mente zero.

Muitos autores tradicionais dizem que isso é impossível, que a própria concepção de nada propagada por alguns meditadores já é uma concepção de uma forma de pensamento. Entretanto, não se trata disso. Existe o nada descrito pelo pensamento, que realmente nesse caso já não pode ser o nada. Mas também existe a experiência do nada, a qual é inefável e não desce ao nível das palavras, explicações, descrições. Essa analogia serve para parametrar o comentário que ora se faz aqui sobre a questão do autofluxo ser ou não algo inevitável. Com certeza, se não trabalhado de alguma forma, torna-se realmente contínuo e leva, a longo prazo, ao esgotamento da energia vital com conseqüente envelhecimento e morte do corpo físico]

Comunicação Social Mediada: Expressão criada para indicar que as relações humanas não transcorrem na esfera da transmissão essencial da energia psíquica, mas através de sistemas de códigos físico-químicos sensoriais, indicando que não recebemos a essência psíquica do outro (ex.: emoções, pensamentos), mas a reconstruímos interpretativamente.

[No item “Traição Inevitável da Interpretação” há um comentário que abrange este item também]

Consciência do Eu: Refere-se aos amplos aspectos da consciência, ou seja, a consciência da existência do eu, a consciência da identidade psicossocial da personalidade, a consciência da capacidade de pensar e do gerenciamento dessa capacidade, a consciência do mundo intrapsíquico. O eu é gerado pela produção multifocal de cadeias dialéticas e antidialéticas de pensamentos. Essas cadeias de pensamentos são produzidas pelo próprio eu e pelos três outros fenômenos que lêem a memória, indicando que a construção da inteligência é multifocal.

Consciência Existencial: Sinônimo de consciência do eu.

Consciência Instantânea: É a consciência existencial automática que promove a identidade básica de nossas personalidades e do ambiente social em que estamos, tais como nosso nome, profissão, idade, papel social, pessoas circunscritas ao ambiente, resposta social esperada etc. A consciência instantânea é uma das avenidas do eu, porém, não produzida por elas, mas pelo fenômeno da autochecagem da memória, a partir dos estímulos sensoriais do ambiente e pela âncora da memória, a partir da ancoragem nos territórios da memória.

Consciente: Termo que se refere ao universo dos pensamentos dialéticos e antidialéticos e a todas as derivações intelectuais deles decorrentes, tais como: a consciência existencial do mundo que somos e em que estamos, a racionalidade, a capacidade de síntese, de análise, de uso de parâmetros tempo-espaciais.

Democracia das Idéias: Termo psicossocial e filosófico derivado do conhecimento sobre o Homo intelligens (consciente) e o Homo interpres (inconsciente), ou seja, do processo de interpretação, da inatingibilidade da verdade essencial pela consciência humana, do sistema de encadeamento distorcido que ocorre na construção dos pensamentos. A democracia das idéias regula o processo de expor e não impor as idéias, o respeito pela diversidade das idéias, a necessidade de analisar o outro e se colocar no lugar dele etc. A democracia das idéias questiona dogmas, recicla a rigidez de pensamentos, redireciona estereótipos, reorganiza a capacidade de pensar, expande a consciência crítica e o mundo das idéias. A democracia das idéias prepara os alicerces humanistas da maturidade das relações humanas.

Fenômeno da Autochecagem da Memória: Fenômeno intrapsíquico inconsciente que autocheca, em fração de segundo, os estímulos sensoriais na memória. O fenômeno da autochecagem da memória produz, invariavelmente, uma ponte de relação entre os estímulos sensoriais e a história intrapsíquica, arquivada na memória.

Fenômeno da Psicoadaptação: Fenômeno intrapsíquico inconsciente que gera uma adaptação psíquica da energia emocional ao longo da exposição aos mesmos estímulos, sejam eles prazerosos ou dolorosos. A adaptação psíquica da emoção produz nela a incapacidade de vivenciar prazer ou dor ao longo do tempo. Este fenômeno atua na terceira etapa inconsciente do processo de interpretação.

Fluxo Vital da Energia Psíquica: Princípio dos princípios que transforma a energia psíquica, promove o processo de formação da personalidade e estimula a evolução psicossocial humana. Esse princípio afirma que a psique ou a mente é um campo de energia que vivencia um fluxo inevitável e contínuo de transformações essenciais: organização, caos psicodinâmico e reorganização.

[Comentário Vivência em Cura: há possibilidade em estados especiais de manifestação que esse fluxo contínuo possa entrar em estados de intervalos mais ou menos longos, mais ou menos significativos]

Gerenciamento do Eu: É a administração ou controle sobre os processos de construção dos pensamentos, das emoções e da história existencial arquivada na memória. Através dele, o homem deixa de ser apenas vítima da carga genética, das causalidades históricas e das circunstâncias psicossociais, vivenciadas em seu processo existencial, e se torna, também, agente modificador de sua própria história psicossocial.

História Intrapsíquica: vide RPSs – Representações Psicossemânticas

Homo intelligens: Termo que expressa os palcos conscientes da inteligência, em que é encenada toda a produção dialética e antidialética de pensamentos.

Homo interpres: Temo que se refere aos fenômenos intrapsíquicos inconscientes presentes nos bastidores da psique humana. Esses fenômenos correspondem aos fenômenos que lêem multifocalmente a memória e as outras variáveis intrapsíquicas que co-interferem para gerar os processos de construção dos pensamentos. Há um Homo interpres micro ou macrodistinto a cada momento existencial, pois uma parte destas variáveis flutua e evolui durante o processo existencial.

Inconsciente: Termo que se refere a toda realidade essencial existente no campo de energia psíquica e a todos os fenômenos submersos na história intrapsíquica e nos processos de construção da inteligência, tais como: o fluxo vital da energia psíquica, a leitura multifocal da memória, as cadeias de pensamentos essenciais, o fenômeno da psicoadaptação, o fenômeno da autochecagem memória, a âncora da memória, o fenômeno do autofluxo, a essencialidade da energia emocional e motivacional etc.

Interpretação do Outro: vide Comunicação Social Mediada

Humanismo: Termo que se refere ao exercício das funções mais nobres da mente, que objetivam valorizar, respeitar e procurar promover os direitos humanos e a qualidade de vida psicossocial das sociedades. A produção das idéias humanistas ocorre, principalmente, a partir da compreensão dos processos de construção dos pensamentos e das complexas relações do Homo interpres com o Homo intelligens.

Leitura Multifocal da Memória: Leitura produzida por quatro fenômenos intrapsíquicos que constroem as cadeias de pensamentos: a âncora da memória, o fenômeno do autofluxo, o fenômeno da autochecagem da memória e o eu.

Mal do Logos Estéril: Doença psicossocial expressa por uma rica sintomatologia: postura intelectual como espectador passivo da transmissibilidade do conhecimento; incorporação do conhecimento sem prazer, sem crítica, sem desafio, sem aventura; redução da capacidade de ser pensador, um engenheiro da construção de novas idéias; redução da consciência sóciopolítica e da capacidade de engajamento em projetos sociais; utilização do conhecimento apenas como ferramenta profissionalizante para fins próprios etc.

Mordomos da Mente: Expressão criada para indicar os três fenômenos que contribuem diretamente para a formação do eu: a âncora da memória, o fenômeno do autofluxo e o fenômeno da autochecagem da memória. Eles organizam e orientam inconsciente e psicodinamicamente o “eu” na sua indescritível tarefa de gerenciar os processos de construção da inteligência, principalmente no que tange a ler inconscientemente a memória e construir as cadeias de pensamentos.

Pensamento Antidialético: Cadeia de pensamento consciente que tem uma construção psicodinâmica antipsicolingüística, ou seja, que não mimetiza psicodinamicamente os símbolos da linguagem sonora e ou visual. Eles são “quadros intelectuais”, imagens mentais, que expressam a consciência existencial das angústias, das fobias, do humor deprimido, do prazer, da inspiração, das imagens, das relações tempo-espaciais etc. Têm natureza virtual e são produzidos a partir da leitura dos pensamentos essenciais e das emoções e motivações. Os pensamentos dialéticos provocam um reducionismo intelectual quando definem os pensamentos antidialéticos.

Pensamento Dialético: Cadeia de pensamento consciente que tem uma construção psicodinâmica psicolingüística, pois mimetiza os símbolos da linguagem sonora e ou visual. Eles financiam a comunicação social, geram toda a racionalidade dialética e subsidiam a produção científica e coloquial do conhecimento. Têm natureza virtual e são produzidos através das leituras dos pensamentos essenciais.

Pensamento Essencial: Cadeia de pensamento inconsciente (matrizes de códigos essenciais) produzido pela leitura multifocal da memória. O processo de leitura virtual dos pensamentos essenciais gera os pensamentos dialéticos e antidialéticos.

Práxis ou Materialização do Pensamento: Expressão criada para indicar a materialização do pensamento essencial. Os pensamentos conscientes (dialéticos e antidialéticos), por serem virtuais, não se “materializam”, embora possam coordenar a leitura da memória e a produção dos pensamentos essenciais. O pensamento essencial materializado produz o trabalho emocional (ex.: transformações na energia emocional), o trabalho intelectual e o trabalho motor (ex.: fonação, andar, operações manuais).

Processo de Transmutação: Expressão criada para indicar a transformação de energia psíquica em energia físico-química do cérebro e vice-versa. O processo de transmutação é decorrente da coabitação, da coexistência e da co-interferência entre a psique e o cérebro. Ele é realizado através das janelas de transmutação psíquico-cerebrais, gerando, por exemplo, o trabalho motor e os sintomas psicossomáticos, ou através das janelas de transmutação cérebro-psíquicas, gerando, por exemplo, a atuação psicodinâmica das drogas psicotrópicas e dos estímulos sensoriais.

Processos de Construção da Inteligência: Referem-se aos quatro grandes processos de construção ocorridos na psique humana: os processos de construção dos pensamentos, da consciência existencial, da história intrapsíquica e da transformação da energia emocional e motivacional.

Resgate da Liderança do Eu nos Focos de Tensão: Refere-se ao gerenciamento do eu dos pensamentos negativos e das reações emocionais tensas (ex. reação fóbica ocorrida nos ataques de pânico) detonados pelo gatilho da autochecagem da memória. Ao resgatar a liderança desses processos, o eu alarga os territórios de leitura da memória e, assim, expande a liberdade de pensar e reescreve a história inconsciente.

Revolução da Construção das Idéias: Expressa a produção contínua e inevitável das idéias ao longo de toda a trajetória existencial humana. Ela é gerada pelo fluxo vital da energia psíquica, que conduz a uma leitura da memória e a uma construtividade multifocal inevitável dos pensamentos.

RPSs – Representações Psicossemânticas: São representações psicossemânticas das experiências psíquicas (ex.: pensamentos, angústias, ansiedades) na memória (córtex cerebral). As RPSs são diretivas (RPSd), ou seja, ligadas diretamente ao estímulo, ou associativas (RPSa), ou seja, relacionadas com ele. Elas formam a história intrapsíquica.

Síndrome da Exteriorização Existencial: Doença psicossocial decorrida da crise de interiorização. Esta síndrome tem uma sintomatologia psicossocial multiforme, expressa pela incapacidade de se repensar, de se reciclar, de se criticar, de se reorganizar, bem como pela dificuldade de trabalhar suas dores, perdas e frustrações psicossociais; dificuldade de tornar-se agente do humanismo e da cidadania, de aprender a se colocar no lugar do outro e perceber suas dores e necessidades psicossociais.

Solidão Paradoxal da Consciência Existencial: É a complexa e sofisticada solidão decorrente da natureza virtual da consciência, que acusa antidialeticamente e discursa dialeticamente o mundo intra e extrapsíquico, mas nunca incorpora suas realidades essenciais. Embora possamos nos conscientizar do mundo intrapsíquico e social, estamos infinitamente distantes da sua realidade essencial, pois a consciência virtual possui um antiespaço insuperável em relação à sua essência. Esse antiespaço produz a solidão paradoxal da consciência existencial. A comunicação intrapsíquica e interpessoal, a criatividade, a literatura, a pintura, a produção científica, a tecnologia são tentativas inconscientes e “ansiosas” de superação da intransponível solidão paradoxal da consciência existencial. Quando essa busca de superação não tem sucesso, produz-se a solidão emocional, o tédio existencial, a rotina dos estímulos, a angústia existencial decorrente da mesmice dos eventos.

[Comentário Vivência em Cura: a solidão paradoxal da consciência existencial passa a ser transponível a partir da conexão com o todo e a vivência/experiência/sentimento de pertencer a tudo o que existe – Veja o conteúdo sobre Vivência Mística]

Traição Inevitável da Interpretação: Expressão criada para referir-se às distorções inevitáveis da interpretação que ocorrem nos bastidores da mente quando contemplamos os estímulos, tais como os textos de uma teoria, o comportamento de uma pessoa, o significado das imagens de um objeto etc. Ela é gerada espontaneamente pelos sistemas de co-interferência das variáveis intrapsíquicas que flutuam e evoluem, tais como a energia emocional, o fenômeno da psicoadaptação, a história intrapsíquica etc.

[ Comentário Vivência em Cura: Dentro do livro A Mente que Cura, ao qual esta indicação de leitura dá suporte, está preconizado que tudo aquilo em que acreditamos se torna realidade. Acreditar que a correta comunicação é impossível, acarretará em que isso ocorra. Entretanto, todos nós temos a experiência vivencial de que determinadas comunicações acontecem com precisão, quando captamos precisa e claramente contextos completos e complexos que nos são emitidos por outras pessoas e/ou estímulos, normalmente em trocas que não se utilizam dos conteúdos das palavras, mas sim do conjunto de todos os outros meios que mediam nossas comunicações, algo um pouco mais telepático e sinestésico ao mesmo tempo.

É fato que o “universo comum” das relações de interpretação contempla toda sorte de distorções interpretativas. Entretanto, a definição de “distorções INEVITÁVEIS da interpretação” pode ser superada pela captação direta do universo holográfico do outro, sem a mediação mais predominantemente focada da comunicação de padrões mentais realizada pelo lado esquerdo do cérebro. Ou seja: é possível uma interpretação exata dos estímulos quando o fazemos através de um estado de superconsciência(*) capaz de captar a essência integral do estímulo.

Cabe ainda ressaltar que crença em traição reflete diretamente uma associação íntima com uma estrutura de defesa de personalidade controladora, esta exatamente muito focada nos processos mentais…

(*) superconsciência ou outro termo qualquer que defina melhor um estado mais expandido e integrado de consciência da criação do que o atual estado médio da humanidade terrestre.

 


COMENTÁRIO FINAL: toda essa concepção é muito verdadeira, faz muito sentido, tem muita lógica. A ela poderia ser acrescentada uma análise em relação à questão da separação entre cérebro esquerdo e direito, dando uma especial atenção para as capacidades não lineares e holográficas do hemisfério direito, distinguindo bem essas capacidades do que vem a ser o inconsciente, para que fique bem claro que o inconsciente não é ou se estrutura a partir do cérebro direito (e o consciente do esquerdo), mas que esses conceitos são independentes, havendo manifestações tanto conscientes quanto inconscientes a partir de cada um dos hemisférios. Isso sendo posto pode ficar mais claro que todas as funções descritas em Inteligência Multifocal não são tão somente uma análise da mente linear (função cerebral do hemisfério esquerdo), mas que podem ser permeadas com uma visão global de todas as funções cerebrais, incluindo aí também a mente “não racional”, a mente “sensitiva e holográfica” ligada ao hemisfério cerebral direito.


Conteúdo atualizado em 29/12/2017

Deixe Seu Comentário

Comentário(s)
Se seu post não aparecer imediatamente, atualize a página pois ele já deve estar ativo.