O Festival Trance como canal potencializador (fortíssimo) de elevação energética


Todos os envolvimentos dos ensinamentos espirituais têm em sua base a elevação do padrão energético da pessoa. A yoga tem isso em sua base. O tantra tem isso em sua base. Todos os mestres espirituais que passaram pela humanidade, de uma forma ou de outra, transmitiram a importância dessa questão, pois sem energia nada existe, mesmo as coisas mais pálidas, o que se dirá das mais elevadas, como a beleza, a inteligência, a harmonia, o poder verdadeiro, a iluminação, dentre tantas outras. Todas essas são coisas que só se manifestam na presença de energia em abundância. A inteligência é uma riqueza, uma florescência, só brota, só se manifesta onde há riqueza de energia. A criatividade também e assim para qualquer manifestação elevada.

O Festival Trance é o evento, dentre todos (preste bem atenção nisso: DENTRE TODOS) os eventos já criados e vividos pelo ser humano de maior potencial de canal de elevação energética do ser humano, pois consegue englobar harmonicamente todos os canais e técnicas possíveis para se atingir esse fim e/ou propósito.


Elevando o padrão de forma correta e segura

A maioria das abordagens de elevação energética começa a trabalhar a pessoa primeiramente pelo canal da respiração, posteriormente entram a alimentação, expansão de consciência, a ressonância. O trance é rico em todas essas áreas

Para uma elevação energética sem transtornos, é muito interessante uma preparação do terreno. Nos primeiros dias de um Festival, as pessoas ainda manifestam as marcas do estresse trazido do dia-a-dia, das pressões profissionais e dos problemas de relacionamento, bem como os ligados ao cansaço e às eventuais dificuldades da viagem até o local do evento e a tensão e desgaste de carregar e montar o acampamento.

Após as primeiras horas de descanso, de visitas às trilhas e cachoeiras e às primeiras dançadas, essas mazelas vão sendo dissolvidas, logo as pessoas vão se soltando mais, as reclamações vão ficando pra traz e o clima geral vai ficando mais ameno e interiorizado, o que vai ocorrendo num processo de essa energia mais branda ir conquistando e relaxando aqueles que ainda chegando e/ou tensos.


Exercício de ficar no miolo da pista e de frente para a multidão

Há um exercício muito poderoso (para quem já tem uma percepção energética um pouco mais aguçada, comum dentre aqueles que freqüentam as festas) para se sentir a elevação do padrão energético: passar um tempo considerável, de ao menos algumas horas perto ao miolo da pista, de costas para o palco e de frente para as pessoas, a multidão.

Esse exercício pode ser tomando como uma proposta de direcionamento para ser vivido como foco dentro de todo um festival.

Por uma série de razões a energia da pessoa irá aumentar, aumentar muito. Muitas coisas sutis acontecerão. Faça a experiência e tire as conclusões por si próprio…


Sensualidade verdadeira e não a dissimulada

As energias de base trabalhadas pelos mantras da percussão do som trance, bem como todas as demais energias telúricas presentes no festival são muito propícias para a vivência, harmonização e equalização das energias ligadas à sensualidade.

Considerando-se além disso todo o envolvimento de clareza de percepção e apresentação que as pessoas dentro do Festival encontram-se inseridas, há algo de muito positivo em relação à questão da sexualidade, que é sua manifestação realística, distanciada dos desfoques já arraigados dentro da sociedade. Na pista e nos locais públicos não há pornografia ou “indecência”, mas um clima sensualmente harmônico. Muitas mulheres que participam da cena trance relatam que se sentem muito mais atraentes e sexys sem maquilagem, acessórios e de pés do chão do que quando estão urbanamente adereçadas para o trabalho ou para as baladas da noite, onde há todo um jogo de sedução dissimulada.

Estar na festa não quer dizer ser sensual ou sexual, mas também não negar essa questão. A paquera existe, mas só a paquera com qualidade, pois algo é certo: não há aquela coisa de chegar e ir “pegando a mina”, técnica do arrastão, k.o. furado. Há conhecimento através de situações autênticas, aproximação por apresentação entre conhecidos em comum, além de todas a possibilidade de encontro disponíveis para pessoas maduras, dentre casais estáveis ou paquerantes eventuais, que têm à sua disposição toda a natureza livre e também o cenário discreto e acolhedor de suas barracas, numa manifestação de exatamente como deveria ser a vida sob esta ótica: sem repressões, mas também sem distorções de exagero.

Vale citar John Lennon: vivemos em um mundo onde a violência é pratica em plena luz do dia, mas em quem as pessoas precisam se trancar escondidas para fazerem amor…


O que ainda vem sendo (lentamente) melhorado em relação à elevação energética

Infelizmente, em decorrência de uma necessidade comercial dos organizadores das Festas juntando-se a uma demanda de uma parte dos participantes, atualmente ainda sempre há um bar montado na área da pista. Apenas em uma única festa de um dia para o outro organizada em Brasília (uma Psycoland) foi feita uma experiência de se tirar o bar da área da pista. O resultado em nível de elevação energética e pureza da pista foi muito bom, mantendo-a bombando até perto do final da festa. Entretanto, o faturamento do bar foi menor, o que levou os organizadores à não mais adotarem esse procedimento.

O problema direto da presença do bar na pista de dança é o reflexo direto do aumento do consumo de bebidas alcoólicas, que trabalham diretamente no decréscimo da consciência grupal e no aumento da dispersão energética.

Apesar disso, pode-se observar uma lenta e progressiva tendência dos que participam dos festivais em querer manter a consciência, não se entregando a qualquer tipo de substância psicoativa, como o álcool, até o ponto de ficarem “doidonas”, mas ainda apenas dentro do limite de experienciarem um estado alterado de consciência que possa trazer um custo X benefício positivo.

Aprenda mais sobre elevação energética no conteúdo sobre Expansão de Consciência.

<Anterior Próximo>

Envie um Comentário     |     Referências