Você está em Lidando com Sentimentos

Lidando com Sentimentos – exemplos


VERSÃO PRELIMINAR. Temas a serem desenvolvidos / complementados.

IMPORTANTEEmbora este conteúdo não esteja em sua versão final, você já pode acessar a página sobre EFT – Libertação Emocional – e usufruir desde já dos benefícios que esta poderosa técnica traz para o trato das mais diversas situações emocionais.


Ansiedade

“Ter se preparado para algo que não aconteceu”.

Liberar ansiedades antigas acumuladas por diversas frentes:

  • treinar o poder da permanência – permanecer em lugares/situações focando manter o equilíbrio dos 4 elementos em si;
  • priorizar e descarregar emergências espirituais.

Para manter o estado de calmo equilíbrio:

  • respirar melhor de uma maneira em geral – aprender as técnicas de:
    • segurar a respiração após a segunda longa inspirada, quebrando a freqüência cardíaca;

 


 

Medo

  • trabalhar por todas as frentes e com todos os recursos disponíveis;

Depressão

IMPORTANTE: ressalta-se que “depressão” é uma doença classificada dentro do Código Internacional de Doenças (CID) e para a qual o mais adequado é que se tenha avaliação, diagnóstico, acompanhamento e tratamento supervisionado por profissional médico especializado. Essa palavra está sendo usada aqui no seu sentido popular, indicando tristeza, banzo, baixa energética, indisposição etc, e com a qual muitas pessoas definem por si própria seu estado geral de ânimo e manifestação.

Fechar-se sobre si com alta hiperatividade racional, normalmente com alto conteúdo de raiva voltada para dentro.

  • identificando: baixa energética / retenção energética;
  • necessidade de alta mobilização energética para dissolução do problema, pois havendo energia disponível não há depressão. Em um corpo energizado pode haver tristeza, mas não depressão;
  • melhoras, recaídas e dissolução definitiva a médio e longo prazo;
  • música para dançar;
  • a abordagem psiquiátrica tradicional – questão de considerar a ausência de determinadas substâncias no funcionamento do cérebro com a opção da respectiva reposição artificial: limitação dessa visão e inadequação para abordagens de longo prazo.

Este tópico da depressão encontra-se em versão preliminar. Esta questão é bastante complexa e merece ser abordada por todas as frentes e com todos os recursos disponíveis dos quais a pessoa puder lançar mão. No texto “A Doença como caminho” há uma análise interessante a respeito desta questão. A informação não resolve as questões, mas pode ser um passo no caminho da dissolução.

Alguns caminhos a serem percorridos como tentativas de solução:

  • Trabalhar por todas as frentes disponíveis, inclusive manter acompanhamento médico especializado caso tenha optado por fontes alternativas ou holísticas de tratamento e já aja diagnóstico médico de depressão;
  • Resolver a situação de vida;

 

Ideias Fixas e Pensamentos Dominantes

  • liberar emergências espirituais.

 

Tristeza

  • trabalhar por todas as frentes possíveis;
  • rever conceitos e descobrir novas motivações;
  • promover a reciclagem e a troca da memória emocional.

 


 

Fraqueza / Impotência

  • colecionar pequenas vitórias;
  • terminar ações começadas.

 

Rejeição / Inadequação

 


 

Culpa

“Se um dia alguém fizer com que se quebre a visão bonita que você tem de si, com muita paciência e amor reconstrua-a.
Assim como o artesão recupera a sua peça mais valiosa que caiu no chão, sem duvidar de que aquela é a tarefa mais importante, você é a sua criação mais valiosa.
Não olhe para trás.
Não olhe para os lados.
Olhe somente para dentro, para bem dentro de você e faça dali o seu lugar de descanso, conforto e recomposição.
Crie este universo agradável para si e seja feliz.
O mundo agradecerá o seu trabalho.”
(Brahma Kumaris)

  • Liberar a tensão dos ombros por massagens com liberação emocional e/ou acupuntura;
  • Entender a relação entre culpa e responsabilidade e reciclar a memória emocional de uma pela outra;
  • Observar e dissolver a tendência a sofrer, entendendo-a como um vício emocional;
  • Começar entendendo e posteriormente aceitando dentro de si que não se muda o passado em si, mas seus efeitos sobre o presente são perfeitamente passíveis de serem transmutados;
  • Aprender a ser livre e aceitar a liberdade, tomando para si próprio a responsabilidade por si, definindo e vivendo seu próprio entendimento sobre o mundo, sobre si e sobre a espiritualidade, não se submetendo mais a autoridades externas, especialmente em instituições organizadas, como congregações de uma forma em geral, especialmente as de caráter religioso.

 


 

 

Raiva

  • Aplicar EFT sobre o foco / objeto da raiva;
  • Praticar conscientemente esportes de manifestação yang, se necessário, artes marciais com abundância de chutes e socos;
  • Gritar – dentro do carro, no meio do mato, ao mergulhar, debaixo de cachoeiras;
  • Em ambientes e situações adequados e protegidos, socar e esfaquear (em casos extremos) conscientemente – almofadas, travesseiros e outros objetos que não gerem danos a si nem a terceiros;
  • Deixar de levar uma rotina amarga ou auto-destrutiva. Esse tipo de rotina denota uma raiva contra si próprio, auto-punição. Para quem já andou um pouco que seja dentro da jornada do encontro pessoal, fica fácil a aceitação de que tudo o que há em nossas vidas, o que quer que seja, tem um componente causal em nós mesmos, por mais inconsciente que seja. Para aqueles que levam rotinas amargas e autodestrutivas num nível de consciência “comum” sempre haverá explicações e racionalizações para justificar que são vítimas desses tipos de situações, que estão dentro delas em decorrências de cenários sobre os quais não têm opções de reação, mas para aqueles que realmente procuram e manifestam a verdade a partir de si, sempre há o que ser feito, sempre há possibilidades de agir (ou reagir) de formas benéficas para si próprio. Aceitar que nos auto-impomos rotinas amargas e/ou autodestrutivas é o primeiro passo para começarmos a transmutar a raiva que projetamos sobre nós mesmos em autoaceitação e amor próprio;
  • Praticar a liberação consciente e conduzida de raiva em grupos de terapia. Um ótimo exercício é ficar de frente com outra pessoa e descarregar, ao mesmo tempo, a raiva um sobre o outro. Vale xingar tudo o que quiser, fazer cara feia, olhar de ódio. Só não vale tocar o outro, cuspir, além de qualquer outro tipo de “baixaria” com potencial físico agressivo e/ou invasivo.

 

 


 

Baixa Estima / Sentimentos de Inferioridade

 

Processar, com EFT ou técnica de conciliação dos opostos sugerida por Leslie Temple, fatos, eventos, memórias, lembranças e sentimentos ligados a sentir-se inferior, menos ou mal de alguma forma nesse sentido.

Baixa Estima – Trabalhar a dissolução da defesa carente e mudança de crenças nas camadas do sub-consciente que impedem o crescimento, evolução e abundância. Exemplos de reorganização de crenças limitadores nesses níveis:

  • Bom vendedor não é aquele que vende mais ou muito e sim aquele que vende o que é necessário, e apenas isso, para quem precisa;
  • Bom negociador não é aquele que faz bons negócios pra si, mas sim aquele que faz bons negócios para todos os envolvidos, direta e indiretamente, nos processos negociados;

 

Angústia

Expressão de ansiedade somada a idéias fixas negativas, com expectativas de algo ruim pela frente: trabalhar ansiedade, idéias fixas, e defesa controladora. No caso de as idéias fixas em relação ao futuro envolverem a crença que não haverá tempo suficiente para realizar ou evitar determinada coisa, trabalhar também sobre a questão da defesa carente.

Processar, com EFT ou técnica de conciliação dos opostos sugerida por Leslie Temple, fatos, eventos, memórias, lembranças e sentimentos ligados ao objeto da angústia.


 

Desalento

  • Dissolução de Desmotivação e Apatia – rever crenças metafísicas e sobre os valores reais da vida e da sua manifestação neste planeta. Procurar, COM SEGURANÇA, a vivência dos estados alterados de consciência e das vivências místicas para abrir portais de vista do mundo e de si mesmo sob novas perspectivas;
  • Entender, sob as óticas de crença, vivencial e de aceitação, que os ciclos de baixa fazem parte da vida na terceira dimensão. Num segundo momento, aprender sobre o conceito de neutralidade, procurando desapegar-se tanto das alegrias quanto das tristezas, das positividades quanto das negatividades, de modo a percorrer o caminho do meio. Para aprender mais sobre isto, é muito recomendada a leitura do livro “O Casamento do Espírito”, de Leslie Temple Thurston.
<Anterior Início>

Referências

Deixe Seu Comentário

Comentário(s) para Lidando com Sentimentos
Se seu post não aparecer imediatamente, atualize a página pois ele já deve estar ativo.